6 de out de 2011

Das Minhas Lembranças de Menino Bailante...


Nos distantes anos 70, meu saudoso Tio Sebastian, cabra basco, trombonista de muitos recursos tinha a lendááááriaa ORQUESTRA DE GAFIEIRA SEBÁ GONZALES, que botava o Parque Novo Oratório pra dançar nos bailão da Associação do Parque Oratório nos sabados a noite.


Foi com o velho Tio Sebá que peguei gosto pelas musicas de chacolhar a mexiqueira...


Tio Sebá me apresentou Raul De Barros, J.T Meirelles, Miltinho e afins.


Dentre todas as coisas que meu tio prezava tinha os salseiros do selo Fania Records. O velho piraaaavaa com Willie Colon, José Feliciano, Héctor Lavoe... Cresci ouvindo essas bolachas que depois acabaria herdando.


Eis que passa o tempo...


Em uma tarde de outono dos anos 90, na Banca do meu amigo tonho ele me falou que tinha descolado uma coletânea em Cd, uma tal ae de Broasted or Fried com o finooooooooo da fusão da nova musica latina dos anos 70 e do funk americano da época. Uma coisa de rua mesmo, de quebrada, que sei la porque, hoje chamam “Boogaloo”...


?!?!


Bem que se foda. O que vale é a parada pra todo mundo ouvir e aqui rola mais uma indicacion minha, vocês tem os canais ae embaixo e o cd, novinho, lacrado, custa 12,99 reais nas lojas americanas.


Fica ae o o toque...


PEGUE AQUI: http://www.mediafire.com/?eqp4phe3l1arce6



CONHEÇA AQUI UMA FERA DA FANIA RECORDS, BOOBY VALENTINO...


2 de out de 2011

LIVIN' BLUES e umas coisitas mas dos anos 80 em Santo André...



O Amigo que me le aqui com menos de 40 anos não sabe o parto que era nos anos 80 e começo dos 90, para ter uma imagenzinha infimna que fosse de uma banda de hard rock lado "B" dos anos 70.

Naquela éoca era o meu amigo Jean Gantinis, dono da loja metal que me quebrava os galhos. Sei la como, ele tinha um baita acervo em VHS de uma porrada de bandas que a gente gostava e que só ouvia por lá, de sua coleção fodástica de vinis.

Daquela época, uma banda holandesa nos chamava muita atenção;

LIVING BLUES.

Quintetão porradaria de Blues e jumpin, que tinha um baita discão ao vivo que a gente até furou de tanto ouvir na Metal. Foi muito bom ver que o tal do youtube ja os tem por lá e bem...

Tem gente que diz que sente "falta dos anos 80..."

Balela da porra!





26 de jul de 2011

EDUARDO GALEANO: Futebol Ao Sol E À Sombra


Existe uma chance de tentar entender o porque do futebol emocionar tanto. Se você não suporta a idéia de tentar descobrir isso, através do Luan e do Tinga do meu Palmeiras, tenta com o mestre EDUARDO GALEANO e seu maravilhoso livro de Crônicas de Futebol... FUTEBOL AO SOL E A SOMBRA foi escrito 5 minutos antes do começo dos sonhos...





Pra baixar o livroo...

http://www.4shared.com/file/oQOnSiuk/Eduardo_Galeano_-_Futebol_ao_s.html


15 de abr de 2011

GIALLOS ROCK E O MANIFESTO DISTORCIVO PARA CORAÇÕES SUJOS...


E o que acontece com o velho rock and roll? Nada. O velho rock and roll continua o mesmo, não há nada a ser revisto com ele. O problema portanto é o tal de “novo rock and roll”.

Vivemos um momento em que tudo tem que ser “clean”, polticamente correto e previsivel, nada pode sair muito do padrão óbvio da cretinice fundamental vigente em nossos tempos. Um comodismo mental e letargico parece querer estender os tentaculos por todos as áreas de atividade social. Inevitavelmente essa dicotomia ataca o rock.


E agora toda garota quer ser a nova Diva e todo garoto quer ser o novo Serge Gainsbourg tupiniquim. Tudo é pasteurizado, tudo é limpinho, bonzinho, bem feitinho, não há na “nova” cena musical, absolutamente nada que seja pleno, intenso, sincero, viril. A preocupação da nova geração do rock é a de ser superstar do seu condominio, o ban-ban-ban da sua rodinha de cerveja as quintas, o queridinho dos almoços dominicais da familia, oras...

Todo mundo pode ser outsider no conforto do seu quarto, na sua espaçosa sala de estar. Mas há no rock uma premissa:
Grandes bandas não se fazem com ótimas notas de escola, ou cursinho.

O roqueiro glamourete, culturete de boteco, enganará portanto esses grupinhos acima descritos por um tempo. Mas não permanecerá para sempre porque a história que o rock and roll cobrará sua parte mais hora, menos hora, É necesssário portanto ser menos star e mais autentico. Isso é a tônica que rege o encontro do Giallos.


Giallos nada mais é do que a afirmação do conceito, da atitude de se fazer rock and roll. Um power trio forte, de raça e puro sangue que se propõe a devolver ao rock and roll, tudo o que dele tentam tirar novamemente, como já foi tentando antes e obviamente não conseguido.

O rock nasce dos suburbios de manchester, das garagens da california, em meio a fumaça pesada, modelado pela dura paisagem de concreto do Grande ABC paulista de onde vem o Giallos. Uma Região que outrora foi grande polo industrial, hoje, epicentro de shoppings, comércios e afins de onde vem um trio que “ousa” ser autentico, cantando suas origens, raízes, rotina, dores, amores, referencias, porres, desilusões, ilusões, erros e acertos sem medo nenhum.
Afinal de contas, o rock tal qual a vida, só vale se for pleno.

Giallos vem dessa forma; Por um rock mais sujo e agressivo; Mais verdadeiro e sincero; Escrachando no estabilishment bundão e acomodado, uma ótima nova-velha forma de assumir todas as referencias culturais e sociais que enchem o grande liquidificador sonoro do trio. A chegada ta perto. Logo mais todo mundo poderá constatar isso que vos falo aqui. Portanto preparem-se:


A catarse se perpetuará no grande abc...




ouçam:

http://www.oinovosom.com.br/giallos