22 de ago de 2010

DINAH...


De família pobre, filha de uma pai viciado em jogo, cachaça e puta e, uma mãe simples, sofredora, Dinah Washington teve uma infância dificil. Vivendo dessa forma, não tinha muito o que fazer e assim, passava horas na igreja. Por lá começou a tocar piano e cantar no coral.



Começou a fazer sucesso nas redondezas do bairro onde vivia, e logo tocava por toda Chicago, até vencer um concurso de calouros cantando blues. O concurso lhe rendeu um convite para participar do conjunto vocal Sarah Martin Singers, pouco antes de completar doze anos. Aos quinze anos, já era uma baaaaaaaaaaaaaitaaaa cantora mas sua mãe, calejada de vida e de sofrimento passou a proibir suas saídas, temendo pelo futuro da moçoila. Mas não adiantou muito... Dinah fugia para as tenações nas noites de chicago, perdendo-se lindamente em cachaça, maconha e blues, muito blues!



Com 16 anos é contratada pelo master bandleader Lionel Hampton no ano de 1943, quando muda seu nome bunda, Ruth Lee Jones (nomes comuns nos EUA) para o mais pomposo Dinah Washington. E como tal conquistou prestígio pleno, gravando, apresentando-se e vendendo muito. Passou três anos junto a banda de Hampton.



Gravou diversos estilos de música, um de seus grandes sucessos foi a canção do astro country Hank Williams Senior “Cold Cold Heart”, apenas não gostando de gravar gospel, pois dizia que não gostava de misturar assuntos espirituais com profanos.



Viveu como quis! Torrava os tubos, gantando sua verba com jóias, carros, putos, hotéis além de dar a sua filha uma infância de sonhos.



Morreu prematura e burramente aos 39 anos de idade após um porre de anfetas com uisque, isso, em 1963. Uma pena. Mas obra ficou...

Love Were Can You Be é um momento ímpar dessa nêga que ouço de joelho, feliz da vida...



Da play ae, manco!





PARA DINAMITAR A MORDAÇA DOS CANALHAS...


Bem como podem perceber esse blog ta reformulado para servir de arquivo para as minhas sandices literárias. Não tem as obras completas. Mas uma boua mostra do que eu produzi esse tempo todo, pelo menos desde 1996, para cá e quem quiser que se divirta. Mas volto para falar de outra coisa que tem me chamado a atenção por esses dias.


Começou a malfadada época do perido eleitoral. Nem vou perder tempo aqui com os bizarros candidatos, já que isso, pra mim num tem graça alguma. Há uma grande confusão quando se pensa em Democracia, no Brasil. Confundem com bagunça, zona, pardieiro mas tá... São apenas 25 anos dela, tamo aprendendo. Aliás, alguns precisam acelerar esse processo...


De acordo com a tal “lei eleitoral”, alguns programa de humor se viram proibidos de fazer suas tiradas com esses mesmo canditatos que nos afrontam com as respectivas palhaçadas que são suas candidaturas. Pois bem...


Não assisto maior parte desses programas. Entendo que 90% deles são óbvios, apelativos, burros e populistas. Tiro o CQC da band, desse tacho, porque sei quem o faz e sei que ele num ta nessa leva. É de fato algo muito bem feito, diferenciado nesse mar de merda da tv aberta brasileira. Mas quem decide o que ver ou não, sou eu. Esse é o cerne de toda a discussão... Eu, o individuo, não uma instituição, decido o que eu vejo, ouço, leio. É assim que tem que ser em países evoluidos, minimamente civilizados.


Só para lembrar, os que teimam em querer “esquecer”; O Brasil foi vitimado por uma ditadura sangrenta, absurda e assassina, com uma censura hedionda e indecente se fazendo um dos braços fortes desse regime totalitário.


Só para se ter uma idéia do arregaço causadoi por essa censura, o filme O ULTIMO TANGO EM PARIS eu fui assistir aqui em São Paulo em 1987. O filme foi lançado na europa em 1973... Só aí são 14 anos de atraso. Isso se falando de cultura, imaginem isso em outros segmentos sociais como saúde, educação, economia... Agora temos essa...


TODA E QUALQUER LEI, QUE ATENTE CONTRA AS LIBERDADES DE EXPRESSÃO E IDEOLOGIAS É CENSURA E... CENSURA É CRIME!!!! CRIME!! Muita gente morreu nas masmorras da tortura da ditadura, para que hoje as pessoas digam o que quiserem e sejam responsáveis, por isso. Não pode haver tolerância com relação a isso, de “deixar passar” vetos, decretos e quetais que ofendam os direitos do cidadão.


Não assisto nada disso mas, ME DECLARO AQUI TOTALMENTE A FAVOR DESSA MOVIMENTAÇÃO PELO FIM DA CENSURA AOS PROGRAMAS DE HUMOR e estou no aguardo de quem mais se levantar contra esse tipo de arbitrariedade. Aqui no PUNHADO DE CAMELS E OUTROS BLUES, todos que quiserem lutar pelas liberdades individuais terão espaço.


Pode chegar...